Notícias

Dia Mundial da Água 2023: Conservação inclusiva que acelera a mudança na bacia hidrográfica do rio Ewaso Ng'iro

Silole Malih, Ramson Karmushu e William Naimado (IMPACT Quénia)

A água é o nosso recurso mais importante e toda a vida na Terra depende dela. Apesar da sua importância, a água está a tornar-se muito mais escassa, à medida que as fontes regionais desaparecem ou se esgotam. Atualmente, quarenta por cento da população mundial está a ser afetada pela escassez de água e, se não forem tomadas medidas, cerca de 700 milhões de pessoas poderão ser deslocadas até 2030 em busca de água.

Como um subprojecto da Iniciativa de Conservação Inclusiva (ICI), uma iniciativa financiada pelo Fundo Mundial para o Ambiente (GEF) e implementada conjuntamente pela Conservação Internacional e pela UICN, no IMPACT reconhecemos que, para criar resiliência contra as alterações climáticas e servir uma população em crescimento, deve ser adoptada uma abordagem integrada e inclusiva para gerir este recurso finito. Este Dia Mundial da Água, celebrado sob o tema Acelerar a mudança para resolver a crise da água e do saneamentoreflectimos sobre a escassez de água aqui no Quénia e sobre a importância do rio Ewaso Ng'iro na resolução deste problema e no apoio aos nossos meios de subsistência.

O rio Ewaso Ng'iro

Créditos fotográficos: IMPACTO

A água é um recurso finito e deve ser utilizada de forma sustentável pelo presente para a geração futura. Nós, pastores indígenas, compreendemos este facto e temos sido grandes administradores das fontes de água, sendo a mais importante o rio Ewaso Ng'iro, que sustenta o nosso modo de vida.

O rio Ewaso Ng'iro estende-se desde as encostas noroeste do Monte Quénia e das cordilheiras de Aberdares, passando pelos planaltos de Laikipia até às terras áridas e semi-áridas do norte do Quénia, cobrindo cerca de 10 condados, e percorre cerca de 716 km antes de desaguar no pântano de Lorian, rejuvenescendo o rio Juba e desaguando no Oceano Índico.

A bacia hidrográfica sustenta mais de 3,6 milhões de pessoas no nosso território, 70% das quais são pastores indígenas, e é uma fonte de rendimento para as nossas comunidades agro-pastoris e pastoris.

Combater a escassez de água no Quénia

Créditos fotográficos: IMPACTO

Para as nossas comunidades, a bacia hidrográfica e a sua torre são um recurso fundamental para resolver os problemas de escassez de água e apoiar o crescimento económico das terras áridas do Norte. Fornecem-nos água doce, conservam a biodiversidade e os ecossistemas, regulam o clima local e apoiam os nossos meios de subsistência.

O rio também tem um valor sentimental para nós no Norte do Quénia. Na nossa visão do mundo indígena, o rio está entrelaçado com a nossa cultura e património. Historicamente, temos gerido e protegido o rio utilizando os nossos conhecimentos tradicionais indígenas através de várias práticas culturais, da partilha comunitária e da utilização sustentável dos recursos da bacia.

Referimo-nos à água como "Enkare o lowuaru" (água de animais selvagens), para significar que a água se encontra na natureza e pertence a todos, incluindo as plantas e a vida selvagem, pelo que acreditamos que ninguém deve ser dono dela e que, em vez disso, todos devem partilhar o que estiver disponível para benefício de todos.

O rio como fonte de água para apoiar os meios de subsistência

Créditos fotográficos: IMPACTO

O rio Ewaso Ng'iro é utilizado pelas comunidades agrícolas a montante, pelos agro-pastores a meio do rio e pelos pastores a jusante, bem como por animais selvagens e plantas. É de extrema importância para o nosso modo de vida pastoril, desde o abastecimento de água para uso doméstico e do gado até ao apoio às nossas práticas culturais, como os ritos de passagem Maa. Quando realizamos estes ritos, retiramos água do rio, misturamo-la com leite e espalhamo-la sobre as pessoas envolvidas para afastar o mau olhado, limpar ou como fator de unificação da nossa comunidade.

O ecossistema do rio Ewaso Ng'iro também alberga locais sagrados significativos e plantas cerimoniais que têm significados importantes para as nossas comunidades pastoris que vivem ao longo dele. Entre elas está o Reteti (Ficus wakefieldii), uma planta sagrada que cresce nas margens do rio Ewaso Ng'iro e dos seus afluentes. A nossa comunidade Maa faz sacrifícios debaixo desta planta e considera-a tão sagrada que mesmo as plantas que a rodeiam não podem ser cortadas porque, na nossa cultura, acredita-se que prejudicar uma árvore traz maldição. Outra planta sagrada para nós é a Loperia/lpeeri (Cyperus papyrus), que é utilizada pelas mulheres durante a sua tradicional reunião de convergência e orações rituais a que chamamos olamal loo nkituak na língua Maa (em Samburu é conhecida como Ntorosi). A planta é transportada e presa a cabaças especiais e as mulheres da nossa comunidade usam-na para deitar leite no rio Ewaso Ng'Iro enquanto rezam. A água é sagrada e é utilizada em vários rituais e cerimónias para bênçãos.

Preservação do rio Ng'iro e dos seus recursos hídricos

Créditos fotográficos: IMPACTO

Ao longo dos anos, as nossas comunidades têm utilizado os conhecimentos tradicionais e ecológicos indígenas, que incluem calendários sazonais tradicionais, planos de colonização bem geridos e sistemas de pastoreio com áreas distintas de estação húmida e seca, para gerir o ecossistema Ewaso Ngiro como um recurso partilhado.

Durante os períodos de seca aguda, as nossas comunidades tinham de utilizar as folhas das árvores como forragem. Como na nossa cultura indígena acreditamos que as árvores estão vivas, não nos é permitido cortar árvores vivas, por isso as nossas comunidades recolhiam a forragem podando e cortando os ramos das árvores, e asseguravam-se de que ficava um ramo em cada árvore para respirar e continuar a viver.

Graças a estas práticas tradicionais, assegurámos a proteção da bacia e conseguimos apoiar a subsistência das nossas comunidades. No entanto, a morte do rio Ewaso Ng'iro está a ameaçar a existência das espécies de árvores sagradas que crescem à volta da bacia, a coexistência entre as comunidades e a vida selvagem, bem como os nossos meios de subsistência e práticas culturais.

Para enfrentar estes desafios, iremos trabalhar através da Iniciativa de Conservação Inclusiva (ICI) para promover a revitalização do ecossistema da bacia, encorajando as nossas comunidades a adotar e a trazer de volta as nossas melhores práticas tradicionais e reforçando os sistemas e estruturas tradicionais existentes que as governam.

ICI kicks off International Environmental Policy Fellow Program

Líderes indígenas da ICI defendem a inclusão na...

A primeira fase de implementação do ICI realça a importância da...

Ver todas as notícias