Ru K'ux Abya Yala

Apoiar el buen vivir como modelo de vida indígena.

A imagem centra-se em quatro pessoas com um vestido vermelho que se encontram numa fila.
Logótipo Sotzils
Sotz'il

Na Mesoamérica, um consórcio de organizações indígenas liderado por Sotz'il está a trabalhar para promover a utilização, gestão e conservação indígenas dos recursos naturais nas regiões do Ru K'ux Abya Yala e para promover o Utz K'aslemal (el buen vivir - viver em harmonia) como modelo de vida indígena. Trabalhando numa área composta por três territórios bioculturais (Cadeia Vulcânica Kaqchikel e K'iche', Florestas Tropicais de Lachuá e das Caraíbas da Guatemala e Guna do Panamá) e abrangendo mais de 56.000 hectares de terra que se estendem da Guatemala ao Panamá, através do ICI Sotz'il planeia reforçar os sistemas institucionais indígenas, promover os intercâmbios intergeracionais e a igualdade de género, reforçar a gestão dos recursos naturais e culturais liderada pelos indígenas no contexto da recuperação da COVID-19 e promover a economia verde indígena para benefício de todos.

No âmbito desta iniciativa, o ICI pretende melhorar a gestão de 427.317 hectares, envolvendo 3.820 intervenientes no projeto.

PRINCIPAIS OBJECTIVOS E INICIATIVAS DA ICI

Reforço da governação e dos direitos indígenas, com base nas instituições comunitárias indígenas dos povos Maya, Garifuna e Guna;

Reforçar os conselhos territoriais, os anciãos, as autoridades tradicionais, os guias espirituais, as mulheres e os jovens

Facilitar os intercâmbios entre gerações

Promover o conhecimento das instituições indígenas, criar centros de investigação

Reforçar as capacidades de gestão e os conhecimentos sobre direitos colectivos e resolução de conflitos

Sistematizar as normas tradicionais indígenas e a compilação de instrumentos nacionais e internacionais sobre recursos naturais

Desenvolver protocolos de boas práticas tradicionais de gestão dos recursos

Criar condições para a participação indígena e a criação de alianças estratégicas sobre as questões dos recursos naturais e da COVID-19

Produzir estudos de casos de governação indígena para a gestão colectiva dos recursos naturais

Melhorar a gestão dos recursos naturais e culturais nos territórios indígenas, através do modelo tradicional de utilização, gestão e conservação indígena;

Reabilitar territórios e/ou ecossistemas após a COVID-19

Reforçar as capacidades das mulheres e dos jovens indígenas nas práticas de utilização, gestão e conservação dos recursos naturais e da cultura

Reforçar a gestão territorial e dos recursos naturais indígenas com base nos conhecimentos e práticas tradicionais, tais como: planos de gestão comunitária, gestão e cartografia territorial indígena, protocolos de boas práticas de utilização, gestão e conservação, plano de ação para a gestão dos recursos marinhos e costeiros e estudos de caso, estratégias e planos de adaptação e atenuação das alterações climáticas e da degradação ambiental

Promover investimentos para a promoção da economia verde indígena através de empresas e ligações comunitárias naturais e culturais

Melhorar as cadeias de empresas produtivas e as suas unidades de produção agroflorestal, artesanal, de produtos florestais não lenhosos e de serviços turísticos

Aumentar o acesso ao mercado e a comercialização de produtos de empresas indígenas, com valor acrescentado, que sejam amigos do ambiente natural e cultural das eco-regiões prioritárias pós-COVID-19

Procurar a certificação de produtos naturais e culturais indígenas

Procurar mecanismos de incentivo à silvicultura e pagamentos compensatórios para a conservação dos recursos naturais e culturais

Melhorar o quadro de apoio institucional para reforçar as condições técnicas e administrativas, o equipamento e a gestão dos recursos humanos

Introdução à região

Guantemala Mapa do Panamá
País(es):

Guatemala
Panamá

Superfície aproximada em hectares:

854,604

População indígena Maya; Garifuna; Guna:

2,517,773

Global Biodiversity Hotspots e High Biodiversity Wilderness Areas:

Mesoamérica

Áreas-chave da biodiversidade:

Guna Yala (Panamá)

Sítios Ramsar:

Guatemala: Laguna Lachuá

Zonas protegidas/Zonas de gestão da vida selvagem/etc:

Laguna Lachuá (Guatemala)

Zonas importantes para as aves:

Maya -; Lachuá - Ik'bolay; Cadena Volcánica Kaqchikel; 

Encosta das Caraíbas da Guatemala (Guatemala)

Área Selvagem de Narganá; Guna Yala (Panamá)

As pessoas juntam-se à volta dos vendedores que vendem frutos, flores e tambores.
Percentagem da área de terra do país sob propriedade reconhecida de PI ou CL: (Fonte: RRI: 2015. Who Owns the World's Land?)

Guatemala 16%
Panamá 22%

Número de defensores da terra mortos em 2016-2018:  (Fonte: Global Witness)

Guatemala 25
Panamá 0

Sobre os territórios indígenas Ru K'ux Abya Yala

A região da América Central possui 8% da diversidade biológica mundial, distribuída em 206 ecossistemas, 33 ecorregiões, 20 zonas de vida e 12% das costas da América Latina e das Caraíbas, incluindo 567 000 ha de mangais e 1 600 km de recifes de coral. O subprojecto tem um enfoque regional para uma intervenção integrada na Mesoamérica, que trabalhará em territórios indígenas de dois países - Guatemala e Panamá - em paisagens que formam importantes eco-regiões na América Central, incluindo o Corredor Biológico Mesoamericano, a Eco-região de Florestas Montanas, a Associação de Florestas de Pinheiros e Carvalhos da América Central e o Sistema de Recifes Mesoamericano. Estes ecossistemas estão interligados com o objetivo de conservar os processos ecológicos, facilitar o intercâmbio genético, a evolução, a migração e o repovoamento das espécies e são coerentes com os territórios indígenas Maya, Garifuna e Guna. A Cadeia Vulcânica de Kaqchikel e K'iche' fazem parte dos bosques e prados de folha larga, nublados, de pinheiros e carvalhos que integram o Corredor Biocultural de Zunil, Atitlán e Balam Juyu, ricos em biodiversidade faunística endémica. Lachuá, território Q'eqchi, é uma eco-região de florestas de folha larga e um sítio Ramsar, com 100.000 hectares. Está ligada às Montanhas Azuis de Chiapas, no México, é a segunda floresta-modelo da Guatemala e faz parte da rede de florestas-modelo ibero-americanas. Representa mais de 50% da biodiversidade guatemalteca, a maioria das quais são espécies ameaçadas de extinção. A região de Río Dulce tem conetividade biológica e alberga espécies de importância endémica regional. A região de Guna Yala abrange 751.300 hectares de áreas continentais e marinhas. É uma eco-região de alta prioridade para a conservação da diversidade global e funciona como um corredor biocultural no Istmo, com cerca de 70% de cobertura florestal, 30 espécies de répteis, 440 espécies de aves e outras espécies de florestas tropicais. Possui ainda recifes de coral, ecossistemas de mangais, extensas redes de recifes e pradarias de ervas marinhas de águas rasas da plataforma continental, de importância biográfica na costa do Atlântico Noroeste e na biorregião central das Caraíbas.

As zonas abrangidas por este subprojecto estão sujeitas a diferentes modalidades de utilização, gestão e conservação dos recursos naturais. No caso dos povos Maya (Kaqchikel, K'iche', Q'eqchi') e Garifuna, estão sob um sistema de gestão colectiva indígena e de gestão partilhada. No caso dos Guna, a gestão é efectuada por um sistema indígena dirigido por congressos regionais. A América Central tem 948 áreas protegidas terrestres e marinhas, com uma extensão de 245.857 km2, das quais cerca de 39% estão localizadas em territórios indígenas, como a floresta Maia, parques em regiões municipais, reserva da biosfera Guna Yala, resultando numa gestão e governação partilhadas entre sistemas de áreas protegidas e territórios indígenas. A governação indígena em cada região baseia-se nas suas próprias formas tradicionais de organização e governação, comités locais, irmandades ancestrais, organização de guias espirituais, comunidade indígena, conselhos territoriais, conselhos de desenvolvimento ou congressos de condado. As actividades económicas incluem a agro-silvicultura, as culturas agrícolas anuais e permanentes rotativas e intercalares, a recolha de produtos não lenhosos de baixo impacto e os sistemas de pesca tradicionais (perto de zonas de recifes e mangais, especificamente no caso do povo Guna).

Actividades económicas indígenas:

  • Agricultura
  • Agroflorestação
  • Produtos florestais não madeireiros (PFNM)
  • Turismo
  • Pesca
  • Caça
  • Pagamento por serviços ecossistémicos

Desafios e ameaças:

  • Expansão e comercialização agrícola 
  • Alterações climáticas
  • Desflorestação, sobrepastoreio e sobre-exploração da vida selvagem e de outros recursos naturais 
  • Políticas e planos nacionais e regionais ligados à segurança da posse
  • Perda de conhecimentos autóctones 
  • Exploração mineira 
  • Desenvolvimento de infra-estruturas (por exemplo, estradas, caminhos-de-ferro, oleodutos, linhas de transmissão, parques eólicos, projectos geotérmicos, aeroportos, barragens) 
  • Exploração madeireira ilegal
  • Atividade de hidrocarbonetos 
  • Contaminação dos oceanos por resíduos sólidos, espécies marinhas invasivas

República Democrática do Congo

Aliança Nacional de Apoio e Promoção dos Ares e Territórios Conservados pelos Povos Autóctones e Comunidades Locais da República Democrática do Congo

Ru K'ux Abya Yala

Na Guatemala e no Panamá, um consórcio de organizações indígenas liderado por Sotz'il está a trabalhar para promover a utilização, gestão e conservação indígenas...

Sudoeste da Amazónia

Na bacia do rio Madre de Dios, no Peru, um território ancestral de floresta tropical onde vivem várias comunidades indígenas, a Federação Nativa de Madr...

Ver todas as regiões geográficas

inscreva-se para se manter em contacto!

Ao inscrever-se na nossa lista de correio eletrónico, receberá notícias e actualizações periódicas diretamente da equipa da ICI