Sudoeste da Amazónia

Defender a vontade colectiva dos povos indígenas

Foca uma pessoa de pé junto a um corpo de água, segurando uma rede de pesca.
Logótipo do parceiro FENAMAD
Federação Nativa do Rio Mãe de Deus e Afluentes

Na bacia do rio Madre de Dios, no Peru, um território ancestral de floresta tropical onde vivem várias comunidades indígenas, a Federação Nativa do Rio Madre de Dios e afluentes (FENAMAD) defende a representação e a defesa legítimas da vontade colectiva de todos os povos indígenas do Madre de Dios, incluindo os que vivem isolados e em contacto inicial.

No âmbito desta iniciativa, o ICI pretende melhorar a gestão de 3.748.946 hectares no Peru, envolvendo 5.505 intervenientes directos no projeto.

PRINCIPAIS OBJECTIVOS E INICIATIVAS DA ICI

Empoderamento dos povos, organizações e comunidades indígenas no exercício da defesa integral de seus direitos coletivos e na consolidação da governança indígena.

Reforçar os sistemas de controlo e vigilância territorial e de alerta rápido a nível comunitário, com o apoio de tecnologias de satélite e outras

Consolidar a proteção da IPACI segundo o princípio de "não contacto" na zona do Parque Nacional de Manu e Madre de Dios

Reforço das capacidades e práticas institucionais em matéria de eficácia e transparência e consolidação das redes de parceiros para assegurar a sustentabilidade das estratégias e a amplificação dos impactos.

Reforçar as capacidades e competências das populações para melhorar a governação, o planeamento e a gestão territorial (planos de vida, zonamento territorial, estatutos, entre outros)

Reforçar as capacidades e competências em matéria de administração financeira, desenvolvimento e gestão de projectos e angariação de fundos

Reforçar os laços dos povos com a sua história e os seus territórios, e valorizar a identidade, a cultura e o significado dos conhecimentos e práticas tradicionais para enfrentar os desafios da crise ambiental.

Fortalecer e revalorizar a identidade cultural dos povos e sua relação com sua história e territórios ancestrais. Processos de autogestão dos povos indígenas melhor organizados como parceiros ativos na definição de políticas para a conservação de seus territórios com áreas naturais protegidas

Revalorizar, documentar e promover a investigação sobre conhecimentos e práticas tradicionais para garantir a soberania alimentar, a atenuação das alterações climáticas e a perda de biodiversidade

Participação efetiva e incidência de organizações e lideranças indígenas em redes e espaços internacionais para compartilhar experiências e contribuir para o avanço de modelos de Conservação Inclusiva de Florestas Tropicais na transição Andes-Amazônia, para garantir o futuro e o bem-estar de seus povos.

Promover processos de intercâmbio binacional entre os povos e organizações que integram a proposta de Conservação Inclusiva, com o objetivo de acordar critérios, consolidar alianças, transferir experiências e conhecimentos

Reforçar as capacidades dos líderes indígenas e a sua participação em espaços e redes internacionais de conservação e direitos humanos

Sensibilizar e promover acções para a proteção dos defensores do ambiente e dos direitos humanos, bem como contra a violência contra as mulheres.

Reforçar as estratégias de proteção dos defensores e das mulheres

Introdução à região

Mapa do Sudoeste da Amazónia
País(es):

Peru

Superfície aproximada em hectares:

7,497,911

População indígena Mashco Piro (Arawak); Matsigenka; Harakbut; Yine; Ese Eja:

5,505

Global Biodiversity Hotspots e High Biodiversity Wilderness Areas:

Andes tropicais

Reservas da Biosfera:

Reserva da Biosfera de Manu

Sítios do Património Mundial

Manu

Zonas protegidas/Zonas de gestão da vida selvagem/etc:

Parque Nacional Manu; Reserva Comunal Amarakaeri; Reserva Nacional Tambopata; Parque Nacional Bahuaja Sonene; Parque Nacional Alto Purús

Áreas-chave da biodiversidade:

Manu

Parque Nacional Purus y Bahuaja Sonene; Reserva Nacional Tambopat; Reserva Comunal Amarakaer; Reserva Territorial de Madre de Dios para pueblos indigenas en aislamiento

Retrato de uma pessoa a trabalhar na floresta.
Percentagem da área de terra do país sob propriedade reconhecida de PI ou CL: (Fonte: RRI: 2015. Who Owns the World's Land?)

34%

Número de defensores da terra mortos em 2016-2018:  (Fonte: Global Witness)

10

Sobre o Sudoeste Amazónico

A geografia deste subprojecto situa-se na parte peruana do sudoeste da Amazónia. Faz parte do bioma amazónico e situa-se nas grandes bacias dos rios Madre de Dios, Beni e Mamoré. Compreende três grandes áreas ecológicas: as cordilheiras sub-andinas, os contrafortes da Cordilheira dos Andes e a extensa planície aluvial amazónica. O gradiente altitudinal varia de 250 metros a 4.000 metros acima do nível do mar, com precipitações entre 1.500 e 6.000 mm/ano, o que lhe confere um alto grau de fragilidade ecológica. Isto produz um mosaico de ecossistemas tropicais de águas pluviais extraordinariamente ricos. As áreas protegidas nesta área de subprojecto (Manu, Amarakaeri, Bahuaja-Sonene e Tambopata) fazem parte do Corredor de Conservação Vilcabamba-Amboró, e são reconhecidas como um dos hotspots mais ricos em termos biológicos do planeta. A área contém cerca de 70% da biodiversidade do Peru, incluindo um elevado número de espécies endémicas de flora e fauna. É extraordinariamente importante para a manutenção de serviços ecossistémicos de enorme valor local, regional e global, incluindo o fornecimento de recursos naturais (madeira, PFNM, vida selvagem, etc.), o sequestro de carbono e a regulação das bacias hidrográficas.

A área do subprojecto inclui 4 grupos indígenas, incluindo grupos isolados e em contacto inicial. No lado peruano da bacia do rio Madre de Dios, existem fragilidades e limitações no reconhecimento legal do direito ao território dos povos indígenas - uma vez que, na ausência de números específicos de acordo com os padrões internacionais - eles foram categorizados como comunidades nativas, áreas protegidas e outros, que não reconhecem sua integridade ou garantem sua propriedade. Esse contexto permite a concessão de direitos a terceiros, limitando o exercício da autodeterminação e da autogestão, e gerando conflitos entre comunidades e atores externos. A área do subprojeto inclui parte do território do povo Mashco Piro de forma isolada, e contribui para a proteção de uma área transfronteiriça no Peru e no Brasil de mais de 8 milhões de hectares, conhecida como Corredor Territorial PIACI Pano Arawak. Modelos de conservação centrados em direitos, identidade e reivindicações territoriais ganharam impulso com a formação de quatro organizações étnicas, representando quatro povos: a Nação Ese Eja (2013), a Nação Harakbut (2016), o Povo Matsigenka do Parque Nacional Manu (2017) e a Nação Yine (2018). Estas novas formas organizacionais surgiram, impulsionadas por, e em articulação com, organizações multi-étnicas existentes. A FENAMAD e as suas organizações intermédias afirmam a identidade étnica dos seus membros e procuram consolidar-se e formalizar-se como interlocutores do Estado peruano em territórios mais vastos que incluem áreas protegidas de grande biodiversidade (Manu, Amarakaeri, Bahuaja-Sonene, Tambopata), e participar ativamente na sua conservação e governação. Assim, apresenta um contexto dinâmico para trajetórias organizacionais e estruturas políticas e normativas em evolução nas quais os direitos territoriais indígenas são definidos.

Actividades económicas indígenas:

  • Agricultura
  • Agroflorestação
  • Produtos florestais não madeireiros (PFNM)
  • Turismo
  • Pesca
  • Caça
  • Pagamentos por serviços ecossistémicos
  • Artesanato

Desafios e ameaças:

  • Expansão e comercialização agrícola 
  • Alterações climáticas
  • Políticas e planos nacionais e regionais ligados à segurança da posse
  • Perda de conhecimentos indígenas
  • Exploração mineira 
  • Desenvolvimento de infra-estruturas (por exemplo, estradas, caminhos-de-ferro, oleodutos, linhas de transmissão, parques eólicos, projectos geotérmicos, aeroportos, barragens) 
  • Globalização, integração na economia de mercado, influência da cultura ocidental, falta de reconhecimento dos sistemas tradicionais 
  • Turismo Mega-barragens hidroeléctricas 
  • Exploração madeireira ilegal
  • Atividade de hidrocarbonetos
  • Tráfico de droga
  • Produção animal em grande escala
  • Caça furtiva - tráfico de animais selvagens
  • Conflitos entre humanos e animais selvagens

Ru K'ux Abya Yala

Na Guatemala e no Panamá, um consórcio de organizações indígenas liderado por Sotz'il está a trabalhar para promover a utilização, gestão e conservação indígenas...

Sudoeste da Amazónia

Na bacia do rio Madre de Dios, no Peru, um território ancestral de floresta tropical onde vivem várias comunidades indígenas, a Federação Nativa de Madr...

República Democrática do Congo

Aliança Nacional de Apoio e Promoção dos Ares e Territórios Conservados pelos Povos Autóctones e Comunidades Locais da República Democrática do Congo

Ver todas as regiões geográficas

inscreva-se para se manter em contacto!

Ao inscrever-se na nossa lista de correio eletrónico, receberá notícias e actualizações periódicas diretamente da equipa da ICI